InfoMoney : #épolítica

    Diplomacia de Resultados: sugestões para uma tão esperada mudança de rota


    Embora a política externa no Brasil não esteja na prioridade momentânea do debate nacional, alguns ajustes podem contribuir para a superação menos traumática da grave crise econômica. A silenciosa mudança proposta pelo atual Ministro de...

    Embora a política externa no Brasil não esteja na prioridade momentânea do debate nacional, alguns ajustes podem contribuir para a superação menos traumática da grave crise econômica. A silenciosa mudança proposta pelo atual Ministro de Relações Exteriores, o Embaixador Mauro Vieira, é uma indicação desta possibilidade. Durante os últimos 13 anos, a diplomacia foi conduzida para a afirmação e reconhecimento do prestígio brasileiro na esfera internacional com forte matiz político. Todavia, pouco foi feito na agenda econômica internacional. Perdemos excelentes oportunidades. Neste segundo mandato de Dilma, contudo, sinais de mudança começam a emergir. Ao anunciar uma “diplomacia de resultados”, Mauro Vieira aluda a uma alteração importante na ação externa do país, uma vez que seu foco estaria na agenda econômica, fomentando inserção internacional mais assertiva e programática.

    O modo de agir?


    Difícil acreditar que doações dessas empresas para o PT sejam frutos de ações corruptas e que para o PSDB, por exemplo, sejam gestos de responsabilidade social empresarial. O fato de a corrupção ser generalizada, no entanto, não pode servir de...

    Difícil acreditar que doações dessas empresas para o PT sejam frutos de ações corruptas e que para o PSDB, por exemplo, sejam gestos de responsabilidade social empresarial. O fato de a corrupção ser generalizada, no entanto, não pode servir de maneira alguma como tese de defesa de qualquer agente envolvido.

    E se sorteássemos cidadãos para julgar políticos acusados de corrupção?


    Minha proposta para melhorar nossa democracia: a criação da Câmara dos Cidadãos, escolhida diretamente por sorteio e reunida uma vez por ano para apurar e julgar politicamente casos de corrupção por representantes...

    Minha proposta para melhorar nossa democracia: a criação da Câmara dos Cidadãos, escolhida diretamente por sorteio e reunida uma vez por ano para apurar e julgar politicamente casos de corrupção por representantes eleitos.

    Furacões ou terremotos?


    Será que tudo o que promovemos em termos de negócios, sobretudo no campo público, está corroído? Difícil encontrar resposta exata para essa pergunta, mas é fato que só existe um sinal positivo no arrefecimento da crise política: alguns otimistas...

    Será que tudo o que promovemos em termos de negócios, sobretudo no campo público, está corroído? Difícil encontrar resposta exata para essa pergunta, mas é fato que só existe um sinal positivo no arrefecimento da crise política: alguns otimistas esperam que a partir de agora o país possa se orgulhar com um pouco mais de certeza de suas instituições formais de justiça.

    Terceirização: de que adianta sua simples proibição?


    Uma visão a respeito dos dilemas que são colocados com o debate sobre a terceirização. Perigos e virtudes de uma eventual mudança são debatidos por Thiago Mendonça de Castro. Um breve relato histórico jurídico mostra os perigos da falta de...

    Uma visão a respeito dos dilemas que são colocados com o debate sobre a terceirização. Perigos e virtudes de uma eventual mudança são debatidos por Thiago Mendonça de Castro. Um breve relato histórico jurídico mostra os perigos da falta de regulação desse tipo de atividade. Contudo, a regulação a ser criada não deve constituir mais um mecanismo que prejudique as relações trabalhistas e muito menos a situação do trabalhador.

    Incerteza – palavra maldita


    Em 1999 o início do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso foi turbulento. A política cambial mudou e contrariou garantias eleitorais. A oposição, capitaneada pelo PT, pediu impeachment, clamou por renúncia e convocou para as ruas. Lula e...

    Em 1999 o início do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso foi turbulento. A política cambial mudou e contrariou garantias eleitorais. A oposição, capitaneada pelo PT, pediu impeachment, clamou por renúncia e convocou para as ruas. Lula e Dirceu disseram que o melhor era ver o PSDB sangrar até 2002. Em certo sentido foi o que aconteceu.

    Quebra da Coalizão abre espaço para irresponsabilidade da Câmara


    Ao fazerem parte do governo, nomeando ministros e controlando recursos, os partidos e seus deputados tornam-se também responsáveis pelo seu destino. Não obstante, isto requer a montagem de um gabinete ministerial político e coordenado aos partidos,...

    Ao fazerem parte do governo, nomeando ministros e controlando recursos, os partidos e seus deputados tornam-se também responsáveis pelo seu destino. Não obstante, isto requer a montagem de um gabinete ministerial político e coordenado aos partidos, em proporção à sua importância no parlamento. Algo que nem de perto ocorre hoje em dia.

    A vez de Michel Temer?


    Essa primeira semana de agosto trouxe algumas novidades na crise política brasileira. Além da extensão da investigação da Lava Jato para o núcleo político do esquema de corrupção com a prisão de José Dirceu, uma nova rodada de pesquisa de...

    Essa primeira semana de agosto trouxe algumas novidades na crise política brasileira. Além da extensão da investigação da Lava Jato para o núcleo político do esquema de corrupção com a prisão de José Dirceu, uma nova rodada de pesquisa de aprovação do governo pelo Datafolha foi divulgada e, finalmente, as lideranças da oposição e de parte do PMDB fizeram alguns encontros que levantam dúvidas sobre a fidelidade destes últimos à presidenta Dilma.

    Do passado ao futuro – um desafio para entender o presente


    Na semana passada a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião com os 27 governadores do país. Mas o que de fato a presidente queria para além de apoio político? Simples. Precisa desarmar uma pauta BOMBA que tramita no Congresso Nacional,...

    Na semana passada a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião com os 27 governadores do país. Mas o que de fato a presidente queria para além de apoio político? Simples. Precisa desarmar uma pauta BOMBA que tramita no Congresso Nacional, ameaçando as contas públicas com gastos excessivos. Para tanto, entendeu que precisa do apoio dos governadores, que também teriam seus cofres vitimados por tais matérias legislativas.

    UM GOVERNO EM ESTADO DE CHOQUE


    Passa outa semana e o governo Dilma aumenta o cipoal de problemas políticos e econômicos do país. Contudo, nessa semana uma novidade foi apresentada. A presidência busca uma aproximação com os governadores para melhorar a governabilidade do país e...

    Passa outa semana e o governo Dilma aumenta o cipoal de problemas políticos e econômicos do país. Contudo, nessa semana uma novidade foi apresentada. A presidência busca uma aproximação com os governadores para melhorar a governabilidade do país e encontrar alguma forma de sustentação política. Infelizmente, mais uma vez, a solução encontrada pelo governo não passa por um debate sério a respeito dos problemas do país -- nenhuma reforma fundamental é discutida ou mesmo aventada! A pergunta que nos resta, será que Dilma pode se tornar uma líder a altura dos desafios do Brasil?

    Fosse 2012 diferente e a história em São Paulo-SP seria outra


    O PSDB não tem o hábito, em São Paulo, de oxigenar a construção de novas lideranças. Se tivesse lançado uma alternativa nova em 2012 na cidade, e muito provavelmente a alocado no governo do estado depois de derrotada, hoje o agente seria deputado...

    O PSDB não tem o hábito, em São Paulo, de oxigenar a construção de novas lideranças. Se tivesse lançado uma alternativa nova em 2012 na cidade, e muito provavelmente a alocado no governo do estado depois de derrotada, hoje o agente seria deputado federal ou estadual eleito em 2014 e forte postulante ao cargo de prefeito em 2016.

    Lula não precisa de FHC para que o PSDB contenha impeachment de Dilma


    PSDB e PT detém o duopólio presidencial e as barreiras para novos entrantes nesse mercado são enormes. Num momento de fragilização do polo petista, é natural (e nada presunçoso) que os tucanos calculem conquistar a vitória em 2018. Assim, a quem...

    PSDB e PT detém o duopólio presidencial e as barreiras para novos entrantes nesse mercado são enormes. Num momento de fragilização do polo petista, é natural (e nada presunçoso) que os tucanos calculem conquistar a vitória em 2018. Assim, a quem interessa o impeachment? O PMDB é um forte candidato, visto que poderia utilizar a vitrine da presidência e da crise para tentar furar o duopólio.

    Contagem para crise final: impeachment político e econômico


    Nas últimas semanas os ambientes político e econômico do Brasil estão em profunda deterioração. A crise econômica abraça a crise política e ambas se reforçam mutuamente. Parece que o fim é inevitável. Apenas alguns meses nos separam de...

    Nas últimas semanas os ambientes político e econômico do Brasil estão em profunda deterioração. A crise econômica abraça a crise política e ambas se reforçam mutuamente. Parece que o fim é inevitável. Apenas alguns meses nos separam de grandes comoções. Os erros do governo se avolumam, tanto na esfera política quanto na esfera econômica. As denúncias de corrupção e irregularidades se consolidam. O fundo do poço ainda não chegou. O momento é pouquíssimo auspicioso para o povo brasileiro. O que será de nós com o desenrolar de toda a crise, ainda dá pra ser otimista?

    A força da Câmara e de seu presidente


    Quem é o presidente da Câmara? Um Dom Quixote que investe fortemente contra os moinhos? Um personagem de seriado maquiavélico? Um típico boi de piranha capaz de desestabilizar o cenário político e consolidar planos de líderes que ainda não se...

    Quem é o presidente da Câmara? Um Dom Quixote que investe fortemente contra os moinhos? Um personagem de seriado maquiavélico? Um típico boi de piranha capaz de desestabilizar o cenário político e consolidar planos de líderes que ainda não se mostraram claramente?

    Lava Jato corrói poder de Cunha e pode minar impeachment


    Com o rompimento da última semana, aumentam as chances de embate direto entre o presidente da Câmara dos Deputados e a presidente da República. No entanto, o avançar da Lava Jato tende a dificultar a capacidade de articulação de Eduardo Cunha no...

    Com o rompimento da última semana, aumentam as chances de embate direto entre o presidente da Câmara dos Deputados e a presidente da República. No entanto, o avançar da Lava Jato tende a dificultar a capacidade de articulação de Eduardo Cunha no Colégio de Líderes, reduzindo sua influência sobre o processo legislativo.

    GRÉCIA ou GREXIT – Breve suspiro sem solução: o furor moral


    Nesta semana o Parlamento Grego aceitou os termos do EuroGrupo e se comprometeu com a proposta / exigência de seus credores e aprovou o pacote de mais reformas econômicas austeras. A aprovação foi exigida como um pré-requisito pelos negociadores...

    Nesta semana o Parlamento Grego aceitou os termos do EuroGrupo e se comprometeu com a proposta / exigência de seus credores e aprovou o pacote de mais reformas econômicas austeras. A aprovação foi exigida como um pré-requisito pelos negociadores alemães para a consumação do novo resgate da União Europeia. O que mudou no tabuleiro europeu com esta transformação? Como a crise econômica torna-se cada dia mais uma crise política que ameaça a integração europeia? É isso que tentamos responder neste artigo.

    A justiça ou os justiceiros?


    Delações, sobretudo aquelas que se tornam conhecidas, têm servido de subsídios para ações e processos infinitamente mais complexos e não podem ser confundidas com um certo ar de espetáculo que tem se dado a elas. Não se trata aqui de criticar o...

    Delações, sobretudo aquelas que se tornam conhecidas, têm servido de subsídios para ações e processos infinitamente mais complexos e não podem ser confundidas com um certo ar de espetáculo que tem se dado a elas. Não se trata aqui de criticar o papel da imprensa, ao menos não é esse o intuito desse texto. Mas sim de compreendermos que tudo o que se diz e o que se faz está inserido em contexto processual mais amplo.

    O Brasil de Dilma – um governo de minoria, sob a regra da maioria


    Após anos tendo recompensas menores que o esperado em políticas públicas e cargos, mas sem o bônus eleitoral de ser parte do governo para contrabalançar, em função da baixíssima popularidade de Dilma Rousseff, qual motivo seguraria o bloco...

    Após anos tendo recompensas menores que o esperado em políticas públicas e cargos, mas sem o bônus eleitoral de ser parte do governo para contrabalançar, em função da baixíssima popularidade de Dilma Rousseff, qual motivo seguraria o bloco liderado pelo PMDB sob o controle do Planalto?

    A crise da dívida grega: é a POLÍTICA ESTÚPIDO


    Mais uma vez o debate econômico e o político se misturam. Nesse artigo discutimos as raízes políticas do impasse europeu e como não podemos considerar como tão claro o resultado do plebiscito grego como uma grande vitória da democracia. A disputa...

    Mais uma vez o debate econômico e o político se misturam. Nesse artigo discutimos as raízes políticas do impasse europeu e como não podemos considerar como tão claro o resultado do plebiscito grego como uma grande vitória da democracia. A disputa política e a legitimidade democrática das decisões na União Europeia e na Zona do Euro são muito mais complexas que o debate apresentado na última semana.

    Por qual via Dilma cairia?


    O PSDB parece firme no propósito de afastar Dilma Rousseff do poder, com base em quatro possíveis questões. O desafio, nesses casos, é saber se temos instituições maduras para que isso ocorra legalmente e, principalmente, se o que derruba uma não...

    O PSDB parece firme no propósito de afastar Dilma Rousseff do poder, com base em quatro possíveis questões. O desafio, nesses casos, é saber se temos instituições maduras para que isso ocorra legalmente e, principalmente, se o que derruba uma não seria capaz de derrubar tantos outros, inclusive os próprios acusadores.

    "Não" da Grécia é tentativa de virar o jogo político da Zona do Euro


    Vitória do "não" na Grécia destaca papel político da união monetária. Após anos de contração fiscal e elevado custo social, os gregos parecem ter chegado à conclusão de que não faz sentido ser parte do clube, sem que haja solidariedade...

    Vitória do "não" na Grécia destaca papel político da união monetária. Após anos de contração fiscal e elevado custo social, os gregos parecem ter chegado à conclusão de que não faz sentido ser parte do clube, sem que haja solidariedade política dos parceiros-credores.

    Maioridade Penal, Congresso e Sociedade – um conto republicano.


    Nesta semana o debate político foi pautado pelo tema da redução da maioridade penal. Entre as inúmeras questões que podem ser levantadas, a disputa surpreendeu ao colocar em confronto uma clara maioria contra uma mobilizada minoria. O exercício da...

    Nesta semana o debate político foi pautado pelo tema da redução da maioridade penal. Entre as inúmeras questões que podem ser levantadas, a disputa surpreendeu ao colocar em confronto uma clara maioria contra uma mobilizada minoria. O exercício da democracia se realiza na disputa entre estes grupos. E os resultados dos embates parlamentares desta semana indicam claramente que seja qual for a decisão final, as instituições políticas brasileiras são muito fortes.

    O parlamentarista impiedoso


    Eduardo Cunha não conseguiu sequer emplacar o Distritão e teve que manobrar para aprovar o financiamento empresarial de campanhas. O parlamentarismo é mais complexo, mas ele afirma que “sente o...

    Eduardo Cunha não conseguiu sequer emplacar o Distritão e teve que manobrar para aprovar o financiamento empresarial de campanhas. O parlamentarismo é mais complexo, mas ele afirma que “sente o momento”.

    O Fim do Lulismo


    É difícil imaginar que a recuperação da economia brasileira ocorrerá em velocidade suficiente para que o Lulismo sobreviva. Assim, o retorno de Lula em 2018 pode não apenas ser inócuo, como também um erro estratégico, visto que o PT precisa...

    É difícil imaginar que a recuperação da economia brasileira ocorrerá em velocidade suficiente para que o Lulismo sobreviva. Assim, o retorno de Lula em 2018 pode não apenas ser inócuo, como também um erro estratégico, visto que o PT precisa lidar  o quanto antes com o realinhamento do eleitorado brasileiro.

    O dia em que o rabo abanou o cachorro - Senadores e a Venezuela


    Discutimos a atuação dos representantes brasileiros tanto do Poder Executivo quanto do Poder Legislativo no imbróglio causado pela Comitiva de Senadores de oposição que visitaram a...

    Discutimos a atuação dos representantes brasileiros tanto do Poder Executivo quanto do Poder Legislativo no imbróglio causado pela Comitiva de Senadores de oposição que visitaram a Venezuela.

    Eduardo Cunha, ou a inesperada virtude do rolo compressor do governo


    A Coalizão de governo, quando majoritária, cria o Cartel Legislativo - o famoso “rolo compressor do governo”. Desde sempre que o PMDB é o parceiro petista menos confiável - suficiente até então, mas o processo político que culminou na chegada...

    A Coalizão de governo, quando majoritária, cria o Cartel Legislativo - o famoso “rolo compressor do governo”. Desde sempre que o PMDB é o parceiro petista menos confiável - suficiente até então, mas o processo político que culminou na chegada de Eduardo Cunha à presidência da Câmara evidenciou que a Coalizão não mais funcionava como Cartel.

    Alucinações eleitorais tucanas e as disputas de 2018


    Alckmin no PSB, Serra no PMDB e Aécio no PSDB. O vislumbre da derrota eleitoral petista agita o ninho tucano e pode levar a cabo algumas das especulações sobre a disputa presidencial que, até então, pareciam apenas...

    Alckmin no PSB, Serra no PMDB e Aécio no PSDB. O vislumbre da derrota eleitoral petista agita o ninho tucano e pode levar a cabo algumas das especulações sobre a disputa presidencial que, até então, pareciam apenas alucinação

    Sem dar autonomia a ministros, Dilma pode fomentar fisiologismo


    Centralizadora, presidente confere a partidos apenas o gerenciamento de recursos e a parceria eleitoral. Autonomia a ministros aumentaria recompensa a partidos da coalizão sob a forma de políticas...

    Centralizadora, presidente confere a partidos apenas o gerenciamento de recursos e a parceria eleitoral. Autonomia a ministros aumentaria recompensa a partidos da coalizão sob a forma de políticas públicas.

    Com Levy na Fazenda, Dilma deixa de gerir a Coalizão apenas com cargos


    Novo ministro dá indícios de que presidenta passará a abrir mão da exclusividade na formulação de políticas públicas, dando maior espaço às preferências dos aliados, o que pode significar uma melhora substantiva na coordenação política e na...

    Novo ministro dá indícios de que presidenta passará a abrir mão da exclusividade na formulação de políticas públicas, dando maior espaço às preferências dos aliados, o que pode significar uma melhora substantiva na coordenação política e na capacidade de implantação de políticas públicas.

    Como explicar o aumento da rejeição ao PT durante a eleição de 2014?


    Não foi somente na eleição presidencial que houve queda de votos. No estado de São Paulo também diminuiu consideravelmente os votos para todos os cargos disputados pelos petistas: deputado estadual, federal, senador e...

    Não foi somente na eleição presidencial que houve queda de votos. No estado de São Paulo também diminuiu consideravelmente os votos para todos os cargos disputados pelos petistas: deputado estadual, federal, senador e governador.

    Com ou sem plebiscito, a reforma política pode ser uma cilada


    Obviamente, a ideia de aperfeiçoar o sistema eleitoral é interessante. Mas a maior parte das mudanças radicais apenas traria instabilidade ao sistema, ou distanciaria o eleitor do processo decisório. Não dá para fazer...

    Obviamente, a ideia de aperfeiçoar o sistema eleitoral é interessante. Mas a maior parte das mudanças radicais apenas traria instabilidade ao sistema, ou distanciaria o eleitor do processo decisório. Não dá para fazer mágica!

    Com drama e sem aceno aos mercados, Dilma mostra força da democracia


    Como saldo positivo desta campanha, em nenhum momento a legitimidade do pleito foi posta em questão, mesmo com uma vitória apertada da candidatura à reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Não há espaço para hegemonia de qualquer partido...

    Como saldo positivo desta campanha, em nenhum momento a legitimidade do pleito foi posta em questão, mesmo com uma vitória apertada da candidatura à reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Não há espaço para hegemonia de qualquer partido político – seja sobre o Congresso ou sobre o voto – e nem existe nenhum midas político no Brasil.

    Debate e novas denúncias não devem reduzir chances de Dilma Rousseff


    O eleitorado sensível à temática da corrupção já migrou para a candidatura de Aécio a longa data, sobretudo por não ser de hoje o esforço do PSDB em rotular o partido adversário como mais afeito à corrupção (seja verdadeiro ou falso tal...

    O eleitorado sensível à temática da corrupção já migrou para a candidatura de Aécio a longa data, sobretudo por não ser de hoje o esforço do PSDB em rotular o partido adversário como mais afeito à corrupção (seja verdadeiro ou falso tal argumento).

    Dilma melhora desempenho e empata com Aécio no eleitorado de baixa renda


    Eleitor de 2 a 5 salários mínimos é o retrato da disputada acirrada, dividido igualmente entre Dilma e Aécio. Tucano perde vantagem obtida no início do segundo turno, mas ainda possui o melhor desempenho do PSDB no segmento desde...

    Eleitor de 2 a 5 salários mínimos é o retrato da disputada acirrada, dividido igualmente entre Dilma e Aécio. Tucano perde vantagem obtida no início do segundo turno, mas ainda possui o melhor desempenho do PSDB no segmento desde 2002.

    Menos alinhado ao PT, eleitor de baixa renda pode dar vitória a Aécio


    O favoritismo dos candidatos petistas desde 2006 se deu pela supremacia no segmento de renda familiar até cinco salários mínimos. Se os críticos do Lulismo estão certos, o eleitor mais pobre continuará a ser governista, enquanto a faixa...

    O favoritismo dos candidatos petistas desde 2006 se deu pela supremacia no segmento de renda familiar até cinco salários mínimos. Se os críticos do Lulismo estão certos, o eleitor mais pobre continuará a ser governista, enquanto a faixa intermediária – entre 2 e 5 salários mínimos – poderá votar na oposição, por conta da queda na avaliação do governo Dilma

    Com Dilma ou Aécio, quais os cenários para a relação com o Congresso?


    Em 2014, com a distribuição de votos verificada nas urnas, o número efetivo de partidos (cálculo feito na ciência política para determinar a quantidade de legendas com peso um parlamento) subiu para 12,45, o que representa o mais alto número desde...

    Em 2014, com a distribuição de votos verificada nas urnas, o número efetivo de partidos (cálculo feito na ciência política para determinar a quantidade de legendas com peso um parlamento) subiu para 12,45, o que representa o mais alto número desde 1946.

    Nova Política? PT e PSDB fazem, do Brasil, um país normal


    Já há algum tempo em que a política nacional é organizada pela competição entre PT e PSDB, estruturando-a em torno de dois polos ideologicamente distintos. Longe de estar tudo perfeito, apenas significa que o Brasil é um país normal – parem...

    Já há algum tempo em que a política nacional é organizada pela competição entre PT e PSDB, estruturando-a em torno de dois polos ideologicamente distintos. Longe de estar tudo perfeito, apenas significa que o Brasil é um país normal – parem com citações apócrifas do general De Gaulle, por favor, e deixem a síndrome de vira lata de lado.

    Frágil no 2o turno, Marina perde apelo estratégico para eleitor tucano


    Embora a diferença entre Aécio e Marina tenha diminuído significativamente no primeiro turno, ambos passaram a ocupar a mesma posição relativa a Dilma nos cenários de segundo turno, algo que pode reorientar a ação estratégica do...

    Embora a diferença entre Aécio e Marina tenha diminuído significativamente no primeiro turno, ambos passaram a ocupar a mesma posição relativa a Dilma nos cenários de segundo turno, algo que pode reorientar a ação estratégica do eleitor

    Marina não é Russomano, mas devolve votos a tucanos e petistas


    Tão logo Marina Silva chegou, anunciou-se o fim da polarização. Já conhecida do eleitor por conta de 2010 e com um discurso que foi capaz de mobilizar um estoque de eleitores tidos por indecisos, a candidata partiu de um patamar alto. Mas o...

    Tão logo Marina Silva chegou, anunciou-se o fim da polarização. Já conhecida do eleitor por conta de 2010 e com um discurso que foi capaz de mobilizar um estoque de eleitores tidos por indecisos, a candidata partiu de um patamar alto. Mas o “fenômeno” Marina tornou-se maior ao ser inflado por eleitores afeitos a PT e PSDB, para os quais – imagina-se – parecia não haver contradição no voto marinheiro e seu gosto pessoal.

    Coalizão de governo não é coligação eleitoral


    O PSB de Marina é um partido em ascensão, mas ainda não está entre as principais estrelas do Congresso Nacional. Tal posição ainda é ocupada pelo triunvirato entre PT, PSDB e PMDB. Sua capacidade de governar – caso vença – passou a ser...

    O PSB de Marina é um partido em ascensão, mas ainda não está entre as principais estrelas do Congresso Nacional. Tal posição ainda é ocupada pelo triunvirato entre PT, PSDB e PMDB. Sua capacidade de governar – caso vença – passou a ser debatida ferozmente, tanto das propagandas eleitorais petistas, quanto tucanas.

    Qual o verdadeiro patamar de rejeição a Dilma Rousseff?


    Metodologias diferentes podem confundir e trazer resultados distintos. Não obstante, são formas diferentes de transformar em números um conceito teórico - a rejeição junto ao eleitorado. Cabe salientar suas diferenças e entender o que isto...

    Metodologias diferentes podem confundir e trazer resultados distintos. Não obstante, são formas diferentes de transformar em números um conceito teórico - a rejeição junto ao eleitorado. Cabe salientar suas diferenças e entender o que isto significa

    Vencida pela rejeição? Dilma avança, mas ataques prejudicam seu 2o turno


    No Ibope mais recente, Dilma atingiu marca preocupante para qualquer postulante: 42% afirmam que não votariam nela de jeito nenhum. O mesmo levantamento aponta Marina com 26% e Aécio com 35%. Números desse tipo podem determinar "a vitória da...

    No Ibope mais recente, Dilma atingiu marca preocupante para qualquer postulante: 42% afirmam que não votariam nela de jeito nenhum. O mesmo levantamento aponta Marina com 26% e Aécio com 35%. Números desse tipo podem determinar "a vitória da rejeição em primeiro turno"

    Marina é igual a Collor? Crítica surte efeito, mas precisa ser medida


    É de se duvidar do respeito que Marina Silva tem pelos partidos e pelos representantes eleitos, dada sua retórica sobre governar com "pessoas do bem" e seu histórico de migração entre legendas. Mas respeitar a maioria e os partidos não significa,...

    É de se duvidar do respeito que Marina Silva tem pelos partidos e pelos representantes eleitos, dada sua retórica sobre governar com "pessoas do bem" e seu histórico de migração entre legendas. Mas respeitar a maioria e os partidos não significa, necessariamente, ter em seu ministério a representação desta maioria

    Um giro pelos estados em busca da "nova política"


    Um giro pelos estados mostra que nos pleitos para os governos estaduais não existe a nova política, ao menos é o que mostram as pesquisas, apesar das possibilidades de mudanças - se é que elas são...

    Um giro pelos estados mostra que nos pleitos para os governos estaduais não existe a nova política, ao menos é o que mostram as pesquisas, apesar das possibilidades de mudanças - se é que elas são necessárias.

    Dois cenários para a oposição, após o empate de Marina e Dilma


    No cenário mais provável, a ação dos eleitores se desenha de modo mais estratégico, favorecendo Marina Silva. Este comportamento, que antecipa os resultados finais das ações dos eleitores, seria mais forte e provável se não houvesse a regra do...

    No cenário mais provável, a ação dos eleitores se desenha de modo mais estratégico, favorecendo Marina Silva. Este comportamento, que antecipa os resultados finais das ações dos eleitores, seria mais forte e provável se não houvesse a regra do segundo turno. Novos números sobre doações às coligações podem dar pistas deste movimento eleitoral.

    Marina Silva lidera com 2º turno, mas pode já ter chegado a seu teto


    O céu de brigadeiro eleitoral proporcionado pela tragédia com Eduardo Campos chegou ao fim. Aécio Neves (PSDB) não está eliminado da disputa, tampouco a vitória sobre Dilma Rousseff (PT) no segundo turno é definitiva. Ainda assim, pode ser o...

    O céu de brigadeiro eleitoral proporcionado pela tragédia com Eduardo Campos chegou ao fim. Aécio Neves (PSDB) não está eliminado da disputa, tampouco a vitória sobre Dilma Rousseff (PT) no segundo turno é definitiva. Ainda assim, pode ser o suficiente para impedir mais dissidências no PSB, fortalecendo a candidatura de Marina.

    O problema de petistas e tucanos: como bater (em) Marina Silva?


    Alheia aos dois polos das trincheiras políticas brasileiras, ela parece circular tranquilamente entre o tiroteio - pouco parece abalá-la. Aécio precisa vencê-la no primeiro turno; Dilma, no...

    Alheia aos dois polos das trincheiras políticas brasileiras, ela parece circular tranquilamente entre o tiroteio - pouco parece abalá-la. Aécio precisa vencê-la no primeiro turno; Dilma, no segundo.

    Jovens e insatisfeitos não bastam para Marina Silva chegar ao 2o turno


    As intenções de voto em Marina residem nos grupos mais voláteis do eleitorado; candidata precisa se mostrar como opção para o eleitorado mais velho, o qual parece mais cioso das virtudes de PT e...

    As intenções de voto em Marina residem nos grupos mais voláteis do eleitorado; candidata precisa se mostrar como opção para o eleitorado mais velho, o qual parece mais cioso das virtudes de PT e PSDB

    A tragédia imprevisível e a modificação das expectativas eleitorais


    O retorno de Marina Silva torna a disputa eleitoral mais apertada e incerta. Caso o PSB consiga se coordenar internamente, existirá a primeira ameaça crível à polarização entre PSDB e PT no plano nacional - a qual deveria ser mantida com a...

    O retorno de Marina Silva torna a disputa eleitoral mais apertada e incerta. Caso o PSB consiga se coordenar internamente, existirá a primeira ameaça crível à polarização entre PSDB e PT no plano nacional - a qual deveria ser mantida com a concorrência de Campos em 2014.

    Tragédia não sela destino das eleições, mas pode levar a novo patamar


    Marina Silva (PSB/Rede) não é bem vista por parte da militância do PSB, criou uma série de dificuldades para a concretização de acordos regionais e teria uma tarefa difícil de coordenação partidária. Tudo mais mantido constante, a ausência de...

    Marina Silva (PSB/Rede) não é bem vista por parte da militância do PSB, criou uma série de dificuldades para a concretização de acordos regionais e teria uma tarefa difícil de coordenação partidária. Tudo mais mantido constante, a ausência de um terceiro candidato competitivo pode dificultar a concretização de um segundo turno.

    Bancos optam por hedge eleitoral, em vez de terrorismo financeiro


    Dizer que atores do mercado financeiro não possuem influência sobre as eleições seria um absurdo. Mas parece que isso está mais associado ao dinheiro distribuído do que aos palpites...

    Dizer que atores do mercado financeiro não possuem influência sobre as eleições seria um absurdo. Mas parece que isso está mais associado ao dinheiro distribuído do que aos palpites dados.

    A tragédia do PFL/DEM: Parte II - A perda de prefeitos e da oligarquia


    A escolha do senador tucano Aloysio Nunes como candidato a vice na chapa encabeçada pelo também tucano Aécio Neves transformou-se numa cabal demonstração do esgotamento quase completo do Democratas - fundado como PFL - como partido de primeira ordem...

    A escolha do senador tucano Aloysio Nunes como candidato a vice na chapa encabeçada pelo também tucano Aécio Neves transformou-se numa cabal demonstração do esgotamento quase completo do Democratas - fundado como PFL - como partido de primeira ordem da política brasileira. Este enfraquecimento tem raízes na desconexão oligárquica do partido com a perda da sua base de poder nos municípios brasileiros, sobretudo nas duas regiões mais pobres do país - Norte e Nordeste. De partido fundamental para a estabilidade, o Democratas tornou-se um ator inexpressivo no sexto embate eleitoral entre PSDB e PT.

    Compra ou vende? A crônica do apreçamento apressado do segundo turno


    O mercado brinda as ações das estatais, como se a pesquisa de julho fosse capaz de mostrar um quadro consolidado. Mas como especulação e apostas são sempre bem vindas, e o mercado adora dizer que é sensível, confesso que findo me divertindo com...

    O mercado brinda as ações das estatais, como se a pesquisa de julho fosse capaz de mostrar um quadro consolidado. Mas como especulação e apostas são sempre bem vindas, e o mercado adora dizer que é sensível, confesso que findo me divertindo com expectativas

    Datafolha mostra que rejeição a Dilma é o maior trunfo da oposição


    No limite, não é possível afirmar com segurança que houve mudança no primeiro turno em relação ao último Datafolha, ao contrário do que houve com os cenários de segundo turno. Uma das interpretações possíveis ao atual cenário é que o...

    No limite, não é possível afirmar com segurança que houve mudança no primeiro turno em relação ao último Datafolha, ao contrário do que houve com os cenários de segundo turno. Uma das interpretações possíveis ao atual cenário é que o sentimento "anti-Dilma", de rejeição à atual presidente, é mais forte que o sentimento de apoio a seus principais adversários. As intenções de voto em Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) continuam no mesmo patamar atingido no início de maio.

    Bacanais partidários?


    Não existe novidade e tampouco deve ser visto como aberração o fenômeno das alianças entre partidos nos estados brasileiros. Os estímulos locais e as lógicas regionais são mais fortes, apesar de que o eleitor poderia ter um pouco mais de...

    Não existe novidade e tampouco deve ser visto como aberração o fenômeno das alianças entre partidos nos estados brasileiros. Os estímulos locais e as lógicas regionais são mais fortes, apesar de que o eleitor poderia ter um pouco mais de capacidade de punir alguns acordos. A despeito disso, o fato é que uma análise histórica das alianças mostra tendências razoáveis e uma avaliação da atualidade aponta alguns partidos mais e outros menos apegados a comportamentos federais.

    Copa do Mundo e eleições: a lógica votopédica


    Passada o que para muitos foi uma hecatombe nuclear no Mineirão, a pergunta a ser respondida pelos analistas políticos é se a eliminação da Seleção nas seminais da Copa do Mundo terá repercussões eleitorais. Nossa hipótese é que as primeiras...

    Passada o que para muitos foi uma hecatombe nuclear no Mineirão, a pergunta a ser respondida pelos analistas políticos é se a eliminação da Seleção nas seminais da Copa do Mundo terá repercussões eleitorais. Nossa hipótese é que as primeiras semanas do evento mostraram uma organização melhor que a esperada e isto, primordialmente, teve impacto positivo na intenção de voto em Dilma Rousseff.

    Datafolha é positivo para Dilma Rousseff; nem mais, nem menos


    Nada muda o fato de que as intenções de voto em Dilma Rousseff (PT) cresceram mais que a margem de erro - algo que não ocorreu com seus oponentes no mesmo período. Simples assim, embora tenha sido possível constatar alguns malabarismos analíticos,...

    Nada muda o fato de que as intenções de voto em Dilma Rousseff (PT) cresceram mais que a margem de erro - algo que não ocorreu com seus oponentes no mesmo período. Simples assim, embora tenha sido possível constatar alguns malabarismos analíticos, tentando transformar o crescimento de Dilma em algo negativo para sua candidatura. Esse alívio, contudo, não altera substancialmente o cenário mais provável de um segundo turno.

    A tragédia do PFL/Dem: sem o vice de Aécio e perto da insignificância


    A escolha do senador Aloysio Nunes (PSDB) como candidato a vice-presidente, na chapa encabeçada pelo também senador Aécio Neves (PSDB), transformou-se no principal evento político da semana, ainda que esteja longe de ser uma surpresa. Algo que pouca...

    A escolha do senador Aloysio Nunes (PSDB) como candidato a vice-presidente, na chapa encabeçada pelo também senador Aécio Neves (PSDB), transformou-se no principal evento político da semana, ainda que esteja longe de ser uma surpresa. Algo que pouca gente parece ter notado é como esta escolha demarca a insignificância política daquele que já foi um dos maiores partidos brasileiros - o PFL/Democratas.

    Rejeição pressiona Dilma e se compara à do segundo mandato de FHC


    Dados recentes indicam que as vaias escutadas pela presidenta na Arena Corinthians são, sim, uma expressão da relativa rejeição a seu governo, algo comparável ao que ocorrera com Fernando Henrique Cardoso ao final de seu segundo...

    Dados recentes indicam que as vaias escutadas pela presidenta na Arena Corinthians são, sim, uma expressão da relativa rejeição a seu governo, algo comparável ao que ocorrera com Fernando Henrique Cardoso ao final de seu segundo mandato

    Princípios complementares


    A quem interessa certo clima de alarmismo à luz do decreto presidencial que cria a Política Nacional de Participação Social? Faz décadas que o Brasil tem avançado muito na formação de política públicas que envolvem a participação popular....

    A quem interessa certo clima de alarmismo à luz do decreto presidencial que cria a Política Nacional de Participação Social? Faz décadas que o Brasil tem avançado muito na formação de política públicas que envolvem a participação popular. Assim, tal aspecto é complementar a parte do que entendemos como positivo na administração pública.

    Nova pesquisa eleitoral Istoé/Sensus informa menos do que parece


    Aparentemente, ela indica que Dilma Rousseff (PT) caiu de modo consistente e que Aécio Neves (PSDB) cresceu significativamente. Contudo, problemas metodológicos tornam difícil a comparação nestes...

    Aparentemente, ela indica que Dilma Rousseff (PT) caiu de modo consistente e que Aécio Neves (PSDB) cresceu significativamente. Contudo, problemas metodológicos tornam difícil a comparação nestes termos.

    Manutenção da dianteira de Alckmin


    Pesquisas no Estado não eram divulgadas desde novembro, e cenário trazido pelo Datafolha mostra que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se mantém na liderança com 44%, seguido pelo presidente licenciado da FIESP, Paulo Skaf...

    Pesquisas no Estado não eram divulgadas desde novembro, e cenário trazido pelo Datafolha mostra que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se mantém na liderança com 44%, seguido pelo presidente licenciado da FIESP, Paulo Skaf (PMDB).

    Sensacionalista, Fantástico não mostra dados sobre reeleição na Câmara


    Em média, metade da Câmara dos Deputados se renova a cada eleição no Brasil; segundo estudo, pouquíssimos deputados acusados de envolvimento com escândalos do mensalão e dos Sanguessugas foram capazes de se...

    Em média, metade da Câmara dos Deputados se renova a cada eleição no Brasil; segundo estudo, pouquíssimos deputados acusados de envolvimento com escândalos do mensalão e dos Sanguessugas foram capazes de se reeleger

    Datafolha favorece Aécio Neves, mas não a oposição como um todo


    Com a derrapada significativa de quatro pontos percentuais, o ex-governador de Pernambuco viu sua candidatura enfraquecida, em trajetória que o coloca cada vez mais na condição a qual sempre foi favorito: a de terceira...

    Com a derrapada significativa de quatro pontos percentuais, o ex-governador de Pernambuco viu sua candidatura enfraquecida, em trajetória que o coloca cada vez mais na condição a qual sempre foi favorito: a de terceira força.

    Por menos clichês e mais ciência política


    Este blog nasce com uma proposta diferente: abandonar o senso comum e os chavões, em busca de uma visão analítica mais sofisticada da disputa eleitoral e das instituições políticas. Isto não é um blog, nem um cachimbo:...

    Este blog nasce com uma proposta diferente: abandonar o senso comum e os chavões, em busca de uma visão analítica mais sofisticada da disputa eleitoral e das instituições políticas. Isto não é um blog, nem um cachimbo: #épolítica